Search
Close this search box.

Juros extorsivos: Banco Central mantém sabotagem econômica contra o país

”Roberto Campos, explique: como empresários podem captar recursos com os maiores juros do mundo?”, indaga a presidenta Nacional do PT, Gleisi Hoffmann

Foto: Agência Brasil / Site do PT

Com informações de Agência PT e revisão de redação

23/03/2023 – 14:51:35

 

No momento em que economistas do mundo inteiro discutem medidas para garantir a saúde financeira de suas economias e cadeias produtivas, o Brasil assume, mais uma vez, a vanguarda do atraso diante da ameaça de uma crise sistêmica nos sistemas bancários. Nesta quarta-feira (22), depois de dois dias em reunião, o Comitê de Política Econômica do Banco Central (Copom) decidiu que o país vai manter a maior taxa de juros real do mundo. A Selic ficará, portanto, nos 13,75%, em mais um ato de ataque à economia popular e ao crescimento econômico do país.

“Roberto Campos, explique: como empresários podem captar recursos com os maiores juros do mundo?”, indagou a presidenta Nacional do PT, Gleisi Hoffmann, após o nefasto anúncio feito pelo banco. “Como investir se o dinheiro aplicado rende 8% [de juros] reais?”, questionou a petista, ao lembrar que a manutenção da taxa de juros impede na prática investimentos no país.

“Você não entendeu seu compromisso com o Brasil?”, insistiu. “Seus juros só beneficiam o rentismo e quem não produz. Sua política monetária já foi derrotada”, advertiu a presidenta do PT.

“A decisão revela uma completa submissão deste Comitê aos interesses dos rentistas e um evidente boicote do presidente do Banco Central ao esforço de todos e todas que trabalham pela retomada das atividades e do crescimento econômico, gerando emprego e distribuição de renda”, reagiu a Central Única dos Trabalhadores (CUT).

“A decisão também revela o quanto é ruim para o país um Banco Central que se declara autônomo, mas se encontra nas mãos de rentistas, especialmente quando têm com

Na contramão do debate internacional

A imposição do Copom bate de frente com as análises de alguns dos mais reconhecidos economistas entrangeiros, entre eles o Nobel de Economia Joseph Stiglitz, que considerou a taxa de juros “chocante” e uma pena de morte para qualquer economia.

“É claro que juros altos afastam investimento e reduzem produtividade”, constatou Stiglitz. “O país é muito dependente de commodities e precisa de transição para uma economia industrial verde”, ressaltou o economista no seminário sobre desenvolvimento sustentável promovido pelo BNDES nos dias 20 e 21, na sede do banco, no Rio de Janeiro.

O seminário reuniu algumas das maiores autoridades do pensamento econômico do mundo, no âmbito da retomada do papel do BNDES no desenvolvimento do Brasil. “O país é muito dependente de commodities e precisa de transição para uma economia industrial verde”, lamentou Stiglitz, ao se referir ao impedimento da retomada do crescimento do Brasil.

Fiesp: juros são “pornográficos”

Josué Gomes da Silva presidente da Fiesp, foi incisivo e classificou os juros praticados no país como “pornográficos”.  “É inconcebível a atual taxa de juros no Brasil”, protestou Silva. “Se não baixarmos os juros, não vai adiantar fazer política industrial”, advertiu o presidente da Fiesp.

“[Juro de] 8% acima da inflação acaba dificultando o consumo, atrasa investimentos e onera o fiscal”, declarou o vice-presidente Geraldo Alckmin, no mesmo seminário. “Não há nada pior para o fiscal do que isso, porque metade de dívida é Selic. Acreditamos no bom senso, de que vamos ter aí uma redução na taxa de juros”, pressionou o vice-presidente, antes do lamentável anúncio do Banco Central.

Leia Também