Guarapuava

Caos no transporte público – Por que a Pérola do Oeste é uma das empresas investigadas na Operação Riquixá

Deflagrada em 2016, a investigação busca averiguar a existência de organização criminosa no segmento de concessão de transporte coletivo urbano em diversas cidades do país

Imagem: Ascom MPPR

22/01/2020 – 16:19:45

Com informações da Ascom MPPR

Desde a década de 1970, a Pérola do Oeste presta, única e exclusivamente, o serviço de transporte coletivo em Guarapuava. Inicialmente, através de permissões, que dispensavam os processos licitatórios e podiam ser prorrogadas.

A empresa atuou dessa maneira até 2009, quando o MPPR (Ministério Público do Paraná) e o TCE (Tribunal de Contas do Estado do Paraná) proibiram o município de continuar a prorrogação de contratos com a empresa de transporte coletivo, uma vez que não havia espaço para concorrência.

No mesmo ano, durante a gestão do ex-prefeito Luiz Fernando Ribas Carli (PSDB), foi realizado o primeiro processo licitatório com a finalidade de regularizar a questão. Ainda assim, a disputa teve como vencedor a mesma Pérola do Oeste, que já atuava no município.

Entretanto, três anos mais tarde, o MPPR identificou possíveis fraudes envolvendo a licitação, alegando que o processo favorecia a Pérola. Neste contexto, o Ministério Público ajuizou a ação civil pública nº 0011197-81.2013.8.16.0031 (contra a Pérola do Oeste e o Município de Guarapuava), e, para obter o ressarcimento pelos danos, a ação de improbidade administrativa nº 0011205-58.2013.8.16.0031 (contra o ex-prefeito Luiz Fenando Ribas Carli, a Pérola do Oeste e outros), dentre várias outras ações em uma operação que foi batizada de Riquixá.

Esta operação apura, desde 2016, a atuação de organização criminosa formada por membros de um grupo econômico familiar, sediado na capital paranaense, que teria praticado diversos crimes ligados ao direcionamento ilegal de concorrências públicas para a concessão do serviço público de transporte coletivo em vários municípios brasileiros.

Conforme as investigações do MPPR, as diferentes empresas do mesmo grupo, unindo-se a outras, organizavam-se para fraudar licitações, combinando preços e divisões de lotes de concessões de transporte público, com o intuito de manter o domínio da execução da atividade na capital paranaense. As investigações contaram com delação de um colaborador e reuniram diversos documentos atestando que as licitações eram previamente combinadas entre as empresas.

No processo licitatório envolvendo a Pérola do Oeste, o MPPR apontou que a empresa não venceu por ser a melhor, mas sim porque o edital foi redigido de maneira que nenhuma outra empresa pudesse competir igualmente.

Dentre as exigências contidas no edital de licitação estavam: a necessidade da empresa interessada licitante ter um imóvel no perímetro urbano de Guarapuava com 6000 m2; uma oficina de manutenção de veículo de 500 m 2; uma área de limpeza de veículo de 200m2; uma área de abastecimento de veículos de 60 m2; além de um tipo específico de revestimento na garagem e na oficina.

O Ministério público também indicou que a concorrência na licitação foi simulada, pois, a Autoviação Marechal, única empresa a disputar o edital com a Pérola do Oeste, possuía vínculos familiares com os sócios da mesma, que, não obstante, disponibilizou, por meio da Princepar, um imóvel à “concorrente”, de maneira a fazer parecer que havia uma disputa real.

Entretanto, as ações processuais ainda se encontram em trâmite e não foram sentenciadas até o presente momento.

Em nota enviada ao iPolítica, a empresa de transporte coletivo Pérola do Oeste informou que “está prestando todos os esclarecimentos, quando solicitados pela justiça, para o bom andamento do processo”.



Receba nossas principais notícias em seu celular
Participe dos nossos Grupos Oficiais


GRUPO DO WHATSAPP GRUPO DO FACEBOOK

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidos pelo whatsapp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Leia Também

Transição vê indícios de crime eleitoral de Bolsonaro por uso ilegal do CadÚnico

Brasil

Transição vê indícios de crime eleitoral de Bolsonaro por uso ilegal do CadÚnico

02/12/2022 – 13:16:16 Com informações de Agência PT e revisão de redação O Grupo de Trabalho de...

MPPR denuncia autores de assalto a transportadora em Guarapuava

Guarapuava

MPPR denuncia autores de assalto a transportadora em Guarapuava

02/12/2022 – 13:11:16 Com informações de MPPR e revisão de redação O MPPR (Ministério Público do Paraná),...

Dança das cadeiras: Celso Góes faz alteração no primeiro escalão do governo

Guarapuava

Dança das cadeiras: Celso Góes faz alteração no primeiro escalão do governo

02/12/2022 – 13:08:16 Blog do Observador O Prefeito de Guarapuava, Celso Góes (Cidadania) resolveu fechar o mês...

João Napoleão deixa legado com oito anos na presidência da Câmara Municipal

Guarapuava

João Napoleão deixa legado com oito anos na presidência da Câmara Municipal

02/12/2022 – 11:42:04 Redação No fim deste mês, o presidente da Câmara Municipal, João Napoleão (PODE) se...

Afastado e denunciado pelo MPPR, Sidão Oreiko continua na folha de pagamento da Câmara Municipal

Guarapuava

Afastado e denunciado pelo MPPR, Sidão Oreiko continua na folha de pagamento da Câmara Municipal

02/12/2022 – 08:38:38 Redação Mesmo estando afastado de suas atividades na Câmara Municipal desde o início de...

Transição diz que 50% das obras de saneamento estão paradas

Brasil

Transição diz que 50% das obras de saneamento estão paradas

01/12/2022 – 18:39:19 Com informações de Agência Brasil e revisão de redação O senador Randolfe Rodrigues...