OPINIÃO

A reconstrução dos Correios no Paraná – Uma necessidade urgente

Foto: Divulgação/Correios

09/06/2022 – 09:10:51

Alexsander Menezes

Não é raro que em conversas sobre a situação dos Correios no Paraná, ao chamar atenção para a urgência na elaboração de um planejamento de retomada dos serviços postais em todos os nossos municípios, ampliando a distribuição domiciliária e os horários de atendimento, me depare com comentários de que antes de tudo precisamos conhecer o resultado das eleições.

Em que pese o fato de que de fato é necessário garantir a vitória nas eleições de outubro, relegar ao segundo plano o planejamento de ações concretas que assegurem os serviços postais para nossa população é temerário, ainda mais considerando o grau de contaminação ideológica presente na estrutura dos Correios do Paraná.

Insuflar a opinião da população contra o serviço público é estratégia usual de governos neoliberais, afinal, basta reduzir o efetivo, investimentos, postos de atendimento, recursos materiais básicos para que a consequente queda na qualidade dos serviços prestados seja refletida nos resultados operacionais, no caso dos Correios, isso é ainda mais dramático quando observam-se os efeitos nas menores cidades.

Tal estratégia só foi possível com a ocupação sistemática dos postos de liderança dos Correios por apoiadores da entrega da empresa para a iniciativa privada, afinal, a despeito da falta de contratações desde 2014, do fechamento de agências, e da redução de horários de atendimento, os quadros técnicos da empresa são experts em encontrar soluções que superem os maiores desafios – desde que lhes seja possibilitado atuar.

Mesmo nesse cenário de perseguições política e ideológica, o compromisso com a manutenção dos Correios públicos, universais e de qualidade não foi negligenciado, e como exemplo, cito o fato de que a maior parte das unidades nos 399 municípios paranaenses foi percorrida, e nos três meses anteriores a pandemia, coordenei a aprovação de moções de apoio a manutenção dos Correios como empresa pública nas Câmaras de 138 cidades do Paraná.

Não é surpresa que em sua esmagadora maioria, as moções foram aprovadas em cidades de pequeno porte, justamente as mais penalizadas pela política de desmonte dos serviços postais implementada pelo atual governo e seus apoiadores, porém destaca-se que tais manifestações tenham sido aprovadas na nossa Capital, e em cidades como Cascavel, Londrina, e Guarapuava.

O fato é que, se tal trabalho não houvesse sido interrompido pela pandemia, pode-se afirmar que mais de 90% das nossas cidades aprovariam tais moções, afinal, seus vereadores não são cegos aos efeitos nefastos do sucateamento implementado com o objetivo de fornecer argumentos para a privatização dos Correios.

A retomada de serviços postais universais e de qualidade em todos os municípios do nosso estado só será possivel com um planejamento consistente de alocação de quadros capazes de unir excelência profissional e valores socialmente responsáveis, dentre os quais o de combate às políticas de desmonte do patrimônio público.

Temos os quadros capazes, temos a vontade de mudar, temos a urgência, não podemos negligenciar esse dever, tão pouco podemos permitir que aqueles que contribuíram para o desmonte dos Correios no Paraná permaneçam em posições que possibilitem colocar ainda mais obstáculos nessa jornada de reconstrução.


por:

Alexsander Menezes

Administrador pela Universidade Católica de Brasília e especialista em Gestão de Pessoas e Liderança pela Universidade Cândido Mendes do RJ. Empregado dos Correios há 20 anos, atualmente é membro da Comissão de Relações Internacionais da Federação Nacional dos Trabalhadores dos Correios.

Ver mais colunas

LEIA TAMBÉM

Agiotagem legalizada: a arapuca do empréstimo consignado com Auxílio Brasil

08/08/2022 – 06:20:28 Luiz Felipe  Na semana passada, o Presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionou a lei que autoriza a...

Pastel e caldo de cana: o tutorial que ainda é permitido pelo TSE para políticos em campanha

25/07/2022 – 07:45:00 Luiz Felipe Não é segredo para ninguém que chegada época eleitoral as ruas tornam-se um...

Qual o legado da Revolução Francesa?

14/07/2022 – 06:37:14 André Luís A. Silva A França da pré-revolução, ou seja, da segunda metade do século XVIII, era...

Não dá para tocar tambor para um louco dançar

08/07/2022 – 07:34:35 Luiz Felipe Sinceramente eu nunca entendi a linha de raciocínio em ter que explorar temas ofensivos...