OPINIÃO

Criação de elefantes brancos

Assista esta coluna

26/08/2021 – 11:45:49

João Nieckars

Espécie que chegou ao Brasil no período colonial, os elefantes brancos, hoje, estão espalhados por todo território nacional em grandes e em pequenos criatórios. Adaptáveis, eles se dão muito bem tanto em regiões frias como em quentes.

É possível ver manadas deles em todos os estados do país, mas os pesquisadores já identificaram que o número de elefantes brancos de uma região está intimamente ligado ao grau de educação da população: quanto mais conhecimento o povo tem, menos elefantes brancos são vistos.

Aqui em Guarapuava, a criação desses animais já é realizada, há décadas, pelos coronéis que dominam tanto a pecuária como a política, ambas realizadas, claro, de forma intensiva. Para quem não sabe, o sistema intensivo é o conhecido “confinamento” e é muito mais vantajoso para criador de elefantes brancos e também para o político profissional, porque na mesma área ele consegue um mandato eleitoral e uma obra – é um ganho duplo!

Mas chega de teoria, vamos fazer aqui, on-line mesmo, um “dia de campo”, porque eu vou te mostrar alguns exemplos muito bem sucedidos de criação de elefantes brancos aqui mesmo, na nossa Guarapuava.

A primeira grande fazenda de elefantes brancos da cidade foi erguida às margens da BR-277. O Centro de Eventos e Apoio ao Turismo – aquela estrutura de tijolo a vista do lado do Madero – foi concluída em 2006 e, claro, inaugurada naquela época, tudo isso pelo então prefeito Fernando Ribas Carli.

Lá foram investidos, à época, 15 anos atrás, mais de 2 milhões de reais em uma construção com 32 salas que estão fechadas até hoje, abandonadas e, agora, está caindo aos pedaços, apodrecendo. Atualizando o valor investido para os dias atuais chegamos à cifra de 13 milhões de reais, lindamente desperdiçados.

Em 2017 o antigo prefeito, Celso Silvestri, realizou dois significativos incrementos nessa fazenda de elefantes brancos. O primeiro deles foi a concessão de 400m quadrados dessa área para o grupo Madero S.A. praticamente de graça – R$ 500,00 por ano conforme a LOA de 2021. O segundo foi a compra em 2019, por mais de 200 mil reais, de equipamentos para a instalação de uma cervejaria artesanal comunitária em um daqueles estandes – esses equipamentos nunca foram usados e continuam lá dentro daquela casinha, deteriorando.

Na mesma região ali do Bairro Primavera temos outros criatórios de elefantes brancos. Ali perto fica o Museu de Ciências Naturais de Guarapuava (você sabia que ele existia? Pois é). Esse espaço permaneceu por quase uma década fechado e em 2017 foi empregado 500 mil reais para reforma dele. Atualmente, advinha, ele está fechado.

Um outro exemplo bem sucedido de como a criação de elefantes brancos também pode se dar em pequena escala foi realizado também em 2017 numa parceria entre o então prefeito, Cesar Silvestri, e a deputada, Cesar Mãe. Vejam só que maravilha, na era do Uber, do 99 Taxi, do APP, a Prefeitura construiu quatro pontos de taxi na cidade, ao custo total de quase 200 mil reais – o metro quadrado mais caro da cidade!

Mais recentemente, entretanto, os criatórios de elefantes brancos foram agigantados. Em 2018 foi inaugurado o Centro de Especialidades, erguido ali entre a Receita Estadual e o Sindicato Rural o custo R$ 13 milhões. Cortaram a fita simbólica de inauguração, junto com a governadora e Cida e seu marido, Ricardo Barros, o prefeito, Silvestri Filho, a deputada, Cesar Mãe e outros tradicionais criadores de elefantes da região. Claro, você sabe bem, este espaço nunca foi usado e segue fechado, criando mato.

Nesse mesmo ano outra fazenda foi aberta. A reforma do Aeroporto Tancredo Thomas, custou 11 milhões de reais e segue fechado para voos operacionais até hoje. A operadora Azul Linhas Aéreas diz que não reiniciou os voos porque os equipamentos do aeroporto estão ultrapassados e precisam de substituição – você imagine, 2 anos de idade, e já estão obsoletos. Bom, não importa, porque mesmo fechado o aeroporto custa quase 200 mil reais por mês para a prefeitura, resultado de gastos especialmente com o radar e com os cargos comissionados que estão por lá “trabalhando”.

Agora a cereja do bolo! A mega fazenda de elefantes brancos do Hospital Regional de Guarapuava! Esse empreendimento é o maior sucesso dos coronéis criadores da cidade, porque a obra começou a ser feita em 2015 e agora hoje, 6 anos depois, ainda não está pronta! Ela foi orçada, inicialmente, em 50 milhões de reais, mas já passou dos 80 milhões e segue firmemente inacabada! Obs: está funcionando em 50% da capacidade como hospital de campanha temporário para internações de COVID-19, mas o contrato já está para acabar, fique tranquilo, já vai fechar de novo!

Nem tudo é essa maravilha, claro, temos alguns exemplos de fazendas de elefantes brancos que não foram para frente. Em 2016 a Prefeitura licitou uma empreiteira local para tirar o calçamento do Passeio dos Namorados que, algum tempo depois teve que ser recolocado pela Surg, por ser acervo do patrimônio histórico. Ai, arrancaram tudo de novo e mais alguns reais escoaram.

Em 2012, o ex-prefeito e criador, Carli, inaugurou o Teatro Municipal de Guarapuava. Em 2016, o seu sucessor, Silvestri, inaugurou novamente o espaço. A despeito das duas inaugurações a obra, que custou mais de 6 milhões de reais à prefeitura, somente foi usada 6 anos depois, em 2018.

Tem também a construção dos colégios estaduais Professora Marlene Jacob e Pedro Carli, que custaram mais de 8 milhões para o Estado. As obras foram paralisadas por muitos anos, em decorrência de superfaturamento, e estão sendo investigadas na Operação Quadro Negro – aquela que chegou a prender o Beto Richa. Na época a imprensa noticiou que posseiros invadiram os espaços e começaram até uma criação porcos em uma das obras – claro, porcos se dão muito bem com elefantes. É sabido.

Como vocês podem ver, inquestionavelmente, a criação de elefantes brancos é nicho muito lucrativo em Guarapuava, tendo gerado um prejuízo de aproximadamente 70 milhões de reais só nos últimos 15 anos. E, melhor, você sabe de onde saí esse valor todo? Isso mesmo, do seu, do meu, do nosso bolso!


por:

João Nieckars

Advogado, economista e professor de direito empresarial

Ver mais colunas

LEIA TAMBÉM

O caminho da reconstrução – Um alerta urgente

24/09/2021 – 19:03:39 Alexsander Menezes Há alguns anos tive a oportunidade de ler a obra Alemanha 1945 – do autor...

Paraná não cobrará R$ 17 bi em impostos em 2022

Assista esta coluna 23/09/2021 – 14:44:36 João Nieckars Veja lá algo bem interessante de que eu tenho certeza que muitos...

Teatro canhestro e a estratégia de protagonismo internacional de Bolsonaro

22/09/2021 – 17:12:33 Alexsander Menezes A sucessão de acontecimentos vexaminosos que marcaram a participação da...

Vendo o bonde passar…

Assista esta coluna 16/09/2021 – 14:11:07 João Nieckars Já ouviu muito essa expressão, não é? Pois então, para...