OPINIÃO

Cuidando da memória

Parque do Lago – Foto: Pedro Paulo Aquino

Quem não tem uma boa recordação da sua infância naquela praça onde brincava com seus colegas? Ou um primeiro amor vivido em parques, passeios aos sábados e domingos com a família? Os locais públicos estão em nossas vidas, mais do que isso, eles são nossas lembranças, memória de um povo, memória de uma cidade, mas como temos tratado nossa história?

A constituição federal prevê que o poder público deve prezar pelo patrimônio do povo, isso inclui: proteger o patrimônio cultural por meio de inventários, registros, vigilância, tombamento e desapropriação, e de outras formas de acautelamento e preservação. Mas pouco disso está acontecendo em nossa cidade, em alguns locais, praticamente nada disso.

Além dos belos parques uma cidade é constituída por cemitérios, quadras esportivas, prédios históricos, museus e etc. Como em alguns desses locais não há um grande fluxo de pessoas, o poder público simplesmente ignora esses pontos. Podemos apontar facilmente dois pontos importantes que estão há muito tempo abandonados e há tempos o povo está pedindo atenção. O primeiro é o cemitério do Guará, distrito de Guarapuava distante aproximadamente 25km. As condições desse local são terríveis, há terra e desorganização para todos os lados, o descaso com a memória daqueles que já se foram é revoltante.

Citamos esse ponto pois é de conhecimento desse que vos escreve, e sinceramente, duvido que os outros distritos estejam em situação melhor. O segundo ponto é a quadra de basquete no parque do lago, diariamente os praticantes da modalidade são obrigados a retornar as suas casas mais cedo, pois a iluminação é extremamente precária. Essa solicitação já fez aniversário! Um ano de espera e até agora um grande e sonoro nada. Novamente, falo desses pontos pois são de conhecimento em locu, tenho certeza que há inúmeras quadras esportivas na mesma situação.

Mas sejamos justos também, não é possível jogar toda a responsabilidade pela preservação do espaço comum para a prefeitura. Existe sim uma parcela de responsabilidade de nossa sociedade. Conhecimento crítico e a apropriação consciente pelas comunidades do seu patrimônio são fatores indispensáveis no processo de preservação desses locais, assim como o fortalecimento dos sentimentos de identidade e cidadania.

O fato é que a prefeitura pouco faz e população pouco cuida, uma receita perigosa para uma sociedade que deseja ser mais. Espero que acordemos logo para o fato que a cidade é sua, minha e de todos. Respeito pela cidade e respeito pelo patrimônio já!

 

Download Best WordPress Themes Free Download
Free Download WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
free download udemy paid course
download mobile firmware
Premium WordPress Themes Download
udemy paid course free download

LEIA TAMBÉM

Figura imortal

Como parte das publicações que destacam os 200 anos de Guarapuava, Gilmar Lejambre relembra trechos do Hino da cidade e faz uma...

Discursos e realidade: o DNA da elite política tradicional e sua manutenção – Parte 2

Durante essa semana até a próxima segunda-feira (9), o i-Política publica uma série de matérias especiais sobre o...

Discursos e realidade: o DNA da elite política tradicional e sua manutenção – Parte 1

A pedido do i-Política, Claudio Andrade faz uma análise criteriosa sobre o contexto histórico político da região de...

Os 200 anos de Guarapuava foram bem aproveitados?

Seguindo a série em homenagem aos 200 anos de Guarapuava, João Nieckars faz uma análise sobre a importância em utilizar bem o...