OPINIÃO

Entre o que podemos fazer com a técnica e o que a técnica poderá fazer conosco

Imagem: ISPBLOG

Com a overdose da técnica é sempre bom perguntar o que Heidegger um dia perguntou: o que há de humano no homem?

A sentença é que a desumanização do humano caminha a passos largos.

Faz tempo que ‘a política’ em seu sentido puro não cumpre mais seu papel, sendo transformada em acessório ou instrumento. O fato é que  ‘políticos que deixaram de ser políticos em sua essência’ trabalham  mais para o mercado ao invés de gastarem energia com a sociedade. A política tradicional se modernizou e agora não é mais o lugar da decisão.  Neste raciocínio, não mais existe o bem comum, uma vez que a política delegou suas escolhas à economia e, consequentemente,  a economia delegou suas escolhas à técnica.

O momento valoriza mais palavras com ruídos que pensamentos e ideias. Vive-se a era das transformações. O capital se transformou no único gerador simbólico de valores. As pessoas não sabem mais o que é decente, verdadeiro, justo e  sagrado. Pensa-se apenas no que é útil.  A emergência de um silencioso (mas preocupante) empobrecimento da sensibilidade humana diante do vertiginoso melhoramento das tecnologias merece uma atenção mais que especial de todos nós para um gradual processo de desativação destas ferramentas.

Na era da técnica, nos tornamos  funcionários de aparelhos e dispositivos. Dito de outra forma ‘fomos capturados quase que integralmente’  e só se pensa em medir os graus de eficiência e produtividade acima das escolhas humanas.  A técnica, em outros tempos considerada uma ferramenta a serviço  do ser humano, tornou-se, hoje, no verdadeiro  senhor da história, delegando ao ser humano  o papel de pseudo piloto de uma máquina eficiente.

As pessoas estão em grande desvantagem em relação ao sistema, mas [ainda assim] acredito que a saída continua  sendo a opção pelas pessoas, seja em um processo eleitoral, seja em um processo educacional ou até mesmo em um processo empresarial. Dependendo das pessoas e suas movimentações,  pode-se fissurar um pouco mais o sistema. Do contrário, a técnica incontrolável  pode  determinar o fim completo  de uma sociedade que já foi mais autônoma.

Neste sentido, a imprevisibilidade do amanhã nos assusta. Talvez, se gastássemos ainda um pouco de energia na tentativa de recuperar o ser humano e, por consequência, a política para o  ser humano, negaríamos não só a assinatura para este domínio como poderíamos propor novas cláusulas que estabelecessem a diferença de desenvolvimento e progresso.

Qual a chance de evitar a sentença do ex-humano da pós-natureza ?

Ainda temos algumas, a começar pelo posicionamento do Papa Francisco. Deixo aqui um breve comentário do  diálogo entre o psicanalista italiano Umberto Galimberti:

“Santidade, o senhor colocou as pessoas na frente dos princípios, porém tem apenas um pulmão, trabalha como um louco, está cheio de inimigos; tenha cuidado para não morrer, caso contrário eles elegerão alguém que vai recolocar os princípios na frente das pessoas. Ele riu e me abraçou, sussurrando: ‘Lembre-se de que Deus salva as pessoas, não os princípios’.

Por fim, entre o que podemos fazer com a técnica e o que a técnica poderá fazer conosco,  fico com a primeira. Mas fica a grande questão: temos capacidade de chegar, por meio da reflexão e  do pensamento, a um confronto razoável com o que realmente está acontecendo no tempo presente ?

 

Download Premium WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
ZG93bmxvYWQgbHluZGEgY291cnNlIGZyZWU=
download micromax firmware
Free Download WordPress Themes
free online course

por:

Claudio Cesar Andrade

Doutor em História e Sociedade. Professor Associado da UNICENTRO, Presidente da Academia de Letras, Artes e Ciências de Guarapuava (ALAC), Assessor do CEFEP/CNBB, autor do livro “Estratégias Políticas de Instâncias Locais”.

Ver mais colunas

LEIA TAMBÉM

Entre o que podemos fazer com a técnica e o que a técnica poderá fazer conosco

Com a overdose da técnica é sempre bom perguntar o que Heidegger um dia perguntou: o que há de humano no homem? A sentença é...

Retrofuturismo, paradoxo temporal e políticas educacionais – Parte 2

Partindo do pressuposto que os caros leitores do iPolítica já acompanharam a primeira parte deste texto, abrevio as...

Tenho esperança

Compreender porque personalidades tóxicas, com decisões equivocadas, irresponsáveis e incendiárias, conseguem se sobrepor em...

A saga dos comissionados – Parte II: a Prefeitura

Semana passada eu pesquisei e comentei sobre os valores gastos com a remuneração dos ocupantes de cargos em comissão (chamados...