OPINIÃO

O pessimismo e seu veneno

Foto: Thinkstock

Acreditar é preciso. Não sem algumas reservas e questionamentos. Acredito que uma das tarefas imposta aos homens de boa vontade e dotada do justo esclarecimento é fazer o que se pode para aumentar a confiança das pessoas na potencialidade de uma necessária mudança pedagógica.  Como escreveu Domenico Di Masi a impossibilidade de distinguir nos dificulta julgar e decidir, lançando-se na maior de todas as impotências, a neutralidade.

Temos uma obrigação moral de não sermos pessimistas.  Dito de outra forma, acredito que é insensato e nocivo hoje fazer as pessoas acreditarem nesta impotência de não fazer, de não se movimentar, de não acreditar.   Todavia, o otimismo que advogo não significa fazer apologia ao conformismo ou à cegueira, mas sim a compreensão do sentido dos acontecimentos com responsabilidade.

Então vamos aos fatos. Reconheço que ‘político e financeiro’ nunca estiveram tão próximos no momento em que escrevo e tentam sepultar qualquer outro horizonte diferente.  Estamos em um labirinto, como se não bastasse, um labirinto confuso. Para sair deste estágio, é preciso ter pessoas dispostas para tal fim e ferramentas adequadas.  Esta disposição, muito ausente hoje, precisa ser reavivada urgentemente.

A sugestão daquele que considero um grande líder mundial, Papa Francisco, é que façamos algo diferente do que está sendo feito, uma espécie de uma ‘bagunça pedagógica’ ou uma movimentação incomum que nos faça sair do mormaço do meio dia, acabando com a máxima hegeliana de “uma noite em que todas as vacas são pretas” ou de que o apocalipse está aí. Uma das questões que mais me interessa neste momento é o real entendimento do que seja a síndrome da apatia política que, aparentemente, não é outra coisa senão que as pessoas não estão suficientemente comprometidas com práticas verdadeiramente democráticas.

Nesse sentido, a neutralidade é, talvez, nosso maior pecado.  Buscar ações para sair deste estágio movediço parece ser a grande tarefa da tecnologia cívica para vencer a imbecilidade de uma grande maioria que “sabem o que estão fazendo e que continuarão fazendo o que estão fazendo” sem considerar a casa de todos. É de Habermas a frase que mais me empolgou na última semana: “é possível que um dia aprendamos a usar as redes sociais civilizadamente”, acrescentaria, sem este pessimismo letal.

Download Premium WordPress Themes Free
Free Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
udemy paid course free download
download micromax firmware
Download WordPress Themes Free
ZG93bmxvYWQgbHluZGEgY291cnNlIGZyZWU=

por:

Claudio Cesar Andrade

Doutor em História e Sociedade. Professor Associado da UNICENTRO, Presidente da Academia de Letras, Artes e Ciências de Guarapuava (ALAC), Assessor do CEFEP/CNBB, autor do livro “Estratégias Políticas de Instâncias Locais”.

Ver mais colunas

LEIA TAMBÉM

Força motriz

Gilmar Lejambre reflete sobre a importância do investimento em educação para que aconteçam melhorias na sociedade. Ele fala...

Figura imortal

Como parte das publicações que destacam os 200 anos de Guarapuava, Gilmar Lejambre relembra trechos do Hino da cidade e faz uma...

Discursos e realidade: o DNA da elite política tradicional e sua manutenção – Parte 2

Durante essa semana até a próxima segunda-feira (9), o i-Política publica uma série de matérias especiais sobre o...

Discursos e realidade: o DNA da elite política tradicional e sua manutenção – Parte 1

A pedido do i-Política, Claudio Andrade faz uma análise criteriosa sobre o contexto histórico político da região de...