Search
Close this search box.

Parece jogo da discórdia do BBB, mas é a Câmara de Vereadores de Guarapuava

Foto: Divulgação/Secom Prefeitura de Guarapuava

16/02/2022 – 13:40:28

Coletivo Veio do Saco

Não é de hoje que assistimos a um verdadeiro circo (com todo respeito à classe artística) no legislativo brasileiro de modo geral, seja nas câmaras de vereadores, assembleias legislativas ou no próprio Congresso.

Houve um momento em que o Poder Legislativo já foi muito respeitado – eu não sei dizer quando foi, mas acho que existiu – no entanto, o que existe hoje é um punhado de representantes bizarros, que começam com campanhas vexatórias e pagas com o dinheiro público, na qual falam de Deus, da família, do papagaio, do cachorro, da igreja, das amantes – ops, dessas não – falam de tudo, menos de políticas para mudar e melhorar a qualidade das nossas cidades, estados e da federação.

Já assistimos à espetáculos e surtos (individuais e coletivos) de senadores da República, assim como ideias sem noção alguma de vereadores.

Kátia Abreu, durante a eleição da presidência do Senado, subiu à mesa diretiva e arrancou a pasta das mãos do senador que presidia a sessão.

Em Pitanga, um vereador chupeta das ideias copiou a ideia retardada que surgiu no Rio Grande do Sul e sugeriu pulverizar a cidade com “álcool gel líquido”, acredite se quiser.

Importante: é esse tipo de gente que é responsável por representar a população.

Aqui, nas terras do Lobo Guará, já teve vereador preso, vereador que não ia para a capital do Estado para comer em restaurante por quilo, outros envolvidos com extorsão, alguns que usaram diárias para ir ver a filiação do Moro, e outros tantos eleitos na base da política do pão e circo.

Nesta terça-feira, porém, se você assistiu à sessão ordinária da Câmara de Guarapuava – APENAS A TERCEIRA DESTE ANO – deve ter reparado no surto coletivo que pairou sobre os nobres vereadores.

Para alguns dos camaradas eleitos, um documento sério como um requerimento é como dar uma bronca no filho que aprontou; outro defende que todo mundo é livre, mas não pode ir em determinados lugares. Outros, mal conseguem administrar o próprio colégio eleitoral, mas se acham aptos a julgar, e baseados em fake news, o coleguinha de outra cidade. Um outro, mais perdido, só sabe falar em Dilma, Lula e o PT; o propósito de gestão deve ter sido “mas e o PT?”.

A vereadora que rebateu este último, porém, lhe deu uma tijolada de dados na cabeça. Queria saber o número de calça que ela usa, pois pegou o nobre colega e o colocou no bolso…e ele não teve coragem e nem argumento para rebater.

O coitado que chegou depois e estava mais perdido do que o Bolsonaro na Rússia, já antecipou a campanha eleitoral e usou a tribuna da Câmara Municipal como palanque eleitoral para uma deputada estadual, e outra federal, que serão candidatas a reeleição e tentarão uns votinhos por aqui.

E algo me diz que até o dia 2 de outubro, meus caros, as sessões da Câmara ainda serão palanque para muitos defenderem seus candidatos. Sem esquecer que todos eles só querem uma coisa… o bem de Guarapuava (o que mais seria?).

Mas o que vale, é que sabemos o que vocês fizeram no verão, inverno, primavera e outono passado, nobres vereadores. O veio do saco tá de olho em vocês e, se não se comportarem, vocês vão pro saco.

Coletivo Veio do Saco

O Coletivo Veio do Saco foi formado por integrantes da sociedade civil que acompanham, religiosamente, as sessões da Câmara Municipal de Guarapuava, com o intuito de fiscalizar as ações do Poder Legislativo. Essa figura mitológica das lendas guarapuavanas, que sempre assustou crianças mal criadas, a partir de agora vai assombrar os políticos também.