OPINIÃO

R$ 340 milhões

Imagem: istock

No final da leitura você saberá o que andam fazendo com o dinheiro público de Guarapuava.

O valor acima é o orçamento aproximado do Município para 2020. Como serão gastos esses valores? Bem, isso é definido em lei, mais especificamente na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a Lei Orçamentária Anual (LOA).

A LDO traça os limites e metas (quanto vamos arrecadar e gastar) e a LOA é o orçamento específico, feito dentro daqueles limites estabelecidos na LDO. As duas leis são de autoria do prefeito e são enviadas à Câmara para aprovação, com ou sem alterações (emendas).

Pois bem, os vereadores de Guarapuava votaram nos dias 4 e 8 de julho a LDO. No projeto, enviado pelo prefeito, havia previsões, por exemplo, de uma doação de 5 milhões de reais ao Estado para ajudar na construção do Hospital do Câncer (que vai anteder não só Guarapuava, mas todo o Paraná).

Também havia previsão de mais de 2 milhões de reais para publicidade e uma a autorização para o Prefeito gastar 8% dos valores de RH, ou seja, quase 2,5 milhões, com os famigerados comissionados (cargos de confiança).

O projeto de lei previu ainda a desvinculação de 20% do orçamento, chamado de “cheque em branco”, ou seja, sobre o valor de mais ou menos 65 milhões de reais não existirá destinação específica na LOA e o Prefeito poderá usá-los como bem entender. Isso é ruim? Depende. Qual seu nível de confiança em um político num ano de eleição, como 2020?

As situações acima foram objetos de projetos de emenda, apresentados pelos vereadores na tentativa de mudar a proposta da LDO. Uma das Emendas pretendia diminuir os gastos com publicidade, dos 2 milhões para 500 mil. Outra queria diminuir os custos com os comissionados de 8% para 5% dos valores de RH.

Havia emenda que sugeria não doar os 5 milhões ao Estado do Paraná e usá-los na atenção básica a saúde (que está muito precária no Município) e assim por diante, ou seja, eram emendas relevantes!

A Câmara votou o projeto de LDO enviado pelo prefeito? Sim. A Câmara votou as emendas propostas pelos vereadores? Não! O que ocorreu foi uma manobra ilegal para aprovar a LDO sem alterações.

Veja que interessante, no art. 343 do Regimento Interno da Câmara diz o seguinte:

Art. 343. No primeiro turno serão votadas primeiramente as Emendas, uma a uma, e depois o Projeto.

A redação é clara, né? No primeiro turno (no caso, a primeira votação ocorreu no dia 4/7) as emendas devem ser votadas uma a uma. Isso não aconteceu, pois o vereador Élcio José Melhem exigiu que as dez emendas fossem votadas englobadamente, ou seja, juntas.

Cinco vereadores foram contra a votação em bloco: Guto, Serjão, Terezinha, Jabur e Maria José. Todos os demais parlamentares presentes concordaram com a ilegal votação englobada.

Agora me diga, se o regimento diz que, em primeira votação, as emendas devem ser votadas uma a uma e elas são votas em bloco, há legalidade nesse processo legislativo? Está correto o procedimento adotado? Óbvio que não.

Nós bem podemos imaginar a razão pela qual a maioria dos vereadores concordou com a votação em bloco, mesmo ela sendo ela ilegal. Sabemos também a quem interessava a aprovação do Projeto de LDO sem alterações.

Agora, para nós, cidadãos, qual a vantagem em gastar mais de 2 milhões de reais em publicidade? A quem beneficia os quase 2,5 milhões de reais que serão gastos com os cargos comissionados (hoje existem quase 200)? Pior, o que será feito com a desvinculação de 20% do orçamento, ou seja, mais de 65 milhões do orçamento (cheque em branco)?

Os vereadores que concordaram com a esses gastos absurdos e com votação em bloco, deram dois recados bem claros aos cidadãos: não leem ou não entendem o Regimento da Câmara e não se importam com o mau uso do dinheiro público.

Free Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
Download Nulled WordPress Themes
free download udemy course
download mobile firmware
Download WordPress Themes
ZG93bmxvYWQgbHluZGEgY291cnNlIGZyZWU=

LEIA TAMBÉM

Figura imortal

Como parte das publicações que destacam os 200 anos de Guarapuava, Gilmar Lejambre relembra trechos do Hino da cidade e faz uma...

Discursos e realidade: o DNA da elite política tradicional e sua manutenção – Parte 2

Durante essa semana até a próxima segunda-feira (9), o i-Política publica uma série de matérias especiais sobre o...

Discursos e realidade: o DNA da elite política tradicional e sua manutenção – Parte 1

A pedido do i-Política, Claudio Andrade faz uma análise criteriosa sobre o contexto histórico político da região de...

Os 200 anos de Guarapuava foram bem aproveitados?

Seguindo a série em homenagem aos 200 anos de Guarapuava, João Nieckars faz uma análise sobre a importância em utilizar bem o...