OPINIÃO

Retrofuturismo, paradoxo temporal e políticas educacionais – Parte 1

Arthur Radebaugh – Push-Button Education (Parte de “Closer than we think”, 1958-62)

Para esse escrito, relacionarei três conteúdos distintos, mas que se interpenetram. Por ser um texto longo, dividirei em duas partes. A primeira, contém os dois primeiros aspectos, nomeadamente, o retrofuturismo e o paradoxo temporal.

O primeiro, é um estilo de arte nascido entre os anos 50 e 60, principalmente pelo rápido avanço técnico-científico após a Segunda Guerra Mundial. O retrofuturismo, portanto, é um olhar para o futuro, a partir do passado. Recorrente na ficção científica, mistura robótica com máquinas a vapor (steampunk), carros voadores com tecnologia de combustíveis fósseis (dieselpunk), ou desenvolvimento de tecnologias utópicas com energia elétrica (teslapunk).

A representação acima, é de um ilustrador estadunidense que, de certa forma, “antecipa” a educação à distância. As mesas são constituídas de telas e botões para interagir com as atividades propostas pelo professor. A premissa é de que o aumento populacional, junto a diminuição do número de professores, faz com que essa sala de aula seja planejada com máxima eficiência e eficácia.

Arthur Radebaugh – Sem título (Parte de “Closer than we think”, 1958-62)

Seguindo a mesma lógica da eficiência e eficácia, essa outra ilustração vai além: ao invés de colocar os alunos no mesmo espaço, faz com que a educação mediada pela técnica vá até a residência do aluno. Antecedendo a criação da internet e dos computadores pessoais, essa tecnologia era baseada na televisão. A única forma de interação aluno-professor, nesse caso, era através do apertar de botões e de uma espécie de touchscreen, que nesse caso é um caderno eletrônico que reage a uma caneta especial.

Esse modelo estético, que se alimenta muito na pop art, traz consigo uma análise da ideologia capitalista, impressa nas suas linhas, com teor de inocência e boa vontade. A cultura massificada, agora convertida em desenho, imita o ritmo fabril e o expande para todas as áreas possíveis. Radebaugh imaginaria que entre uma atividade ou outra, uma mensagem dos patrocinadores apareceria?

Salvador Dali – A persistência da memória (1931).

Dando continuidade, falarei sobre paradoxo temporal. Nas obras cinematográficas e literárias, é o que acontece quando um viajante do tempo, ao mudar aspectos do seu passado (ou geral), causa um loop, ou retroalimenta a causa da sua viagem do tempo, fazendo com que o evento futuro tenha uma relação de causalidade com o evento do passado.

A pergunta clássica “o que você diria para o seu eu de 10 anos atrás, se pudesse viajar no tempo?”, é um bom exemplo. Se você enviasse informações, como o resultado da loteria, implica que mesmo sabendo dos números, você não exclui o fato de precisar fazer a viagem no tempo para dar a informação. Ou seja, o seu eu do passado sabe do resultado, mas acontecimentos diversos e não controláveis indicam que você não ganhou, fazendo com que seu eu do presente tenha que viajar, repetidas vezes, sem nunca concluir o objetivo: ganhar na loteria. Poderíamos problematizar mais esse ponto, mas já adianto – não é meu objetivo.

Falando em outros tempos, assim é o tempo na obra de Dali: a persistência da memória é uma representação onírica da percepção temporal do autor. A fluidez não é literal, mas é a diferença entre uma hora esperando em uma fila, ou uma hora fazendo uma atividade prazerosa. A eternidade está no sono dos justos, mas não no único objeto banal na obra. O relógio inteiro, cheio de formigas, está virado. O tempo fabril, mecânico, é ignorado, em favor da fluidez.

Esse tempo contraria a lógica. No plano onírico, a viagem temporal seria possível sem paradoxos, mas na realidade – dialética, complexa e síntese de múltiplas determinações – estamos sujeitos à racionalidade.

Vladimir Kush – Pros and Cons (Prós e Contras).

O desfecho, portanto, será no próximo texto. Como as políticas educacionais estão inseridas no loop temporal e uma tendência retrofuturista?

Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
udemy paid course free download
download micromax firmware
Premium WordPress Themes Download
lynda course free download

por:

Adonias Luz

Mestrando em Educação, na linha de Políticas, História e Organização da Educação, pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Pós-graduando lato sensu em Neuropsicopedagogia, Graduado em Ciências Sociais, pela Faculdade Guarapuava.

Ver mais colunas

LEIA TAMBÉM

Figura imortal

Como parte das publicações que destacam os 200 anos de Guarapuava, Gilmar Lejambre relembra trechos do Hino da cidade e faz uma...

Discursos e realidade: o DNA da elite política tradicional e sua manutenção – Parte 2

Durante essa semana até a próxima segunda-feira (9), o i-Política publica uma série de matérias especiais sobre o...

Discursos e realidade: o DNA da elite política tradicional e sua manutenção – Parte 1

A pedido do i-Política, Claudio Andrade faz uma análise criteriosa sobre o contexto histórico político da região de...

Os 200 anos de Guarapuava foram bem aproveitados?

Seguindo a série em homenagem aos 200 anos de Guarapuava, João Nieckars faz uma análise sobre a importância em utilizar bem o...