Paraná

Oposição quer a suspensão da venda da Copel pelo governo Ratinho Junior

A desestatização e entrega do controle à iniciativa privada da empresa está prevista no projeto de lei 493/2022

Foto: Orlando Kissner/Alep

23/11/2022 – 09:15:08

Com informações de assessoria parlamentar e revisão de redação

Em requerimento ao governador Ratinho Junior, os deputados de oposição na Alep (Assembleia Legislativa do Paraná) pediram a suspensão imediata do processo de venda da Copel. A desestatização e entrega do controle à iniciativa privada da empresa está prevista no projeto de lei 493/2022, encaminhado segunda-feira (21) pelo governador ao Poder Legislativo. Com a finalidade de barrar a venda, a bancada também vai recorrer ao MPPR (Ministério Público do Estado), TCE (Tribunal de Contas do Estado) e CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

A privatização da estatal faz parte de um pacote de 17 projetos enviados nesta segunda-feira pelo governo Ratinho Junior. à Assembleia, em regime de urgência. Nas mensagens, o governo propõe a criação de nove novas secretarias e 493 novos cargos comissionados; aumento no ICMS; também a terceirização no sistema penitenciário, entre outros.

Líder da oposição, o deputado Arilson Chiorato (PT) alertou que o governador Ratinho Junior. está vendendo o bem mais valioso do povo do Paraná. “Passada a eleição, estamos discutindo a privatização da principal empresa pública do Paraná. Quero lembrar o quanto o setor de energia é estratégico para o Paraná, e a privatização da Copel vai acarretar em uma série de impactos para o Estado. Ao entregar o controle da Copel, o governador vai abrir mão do bem mais valioso do Paraná. A distribuição de lucro da Copel saltou de R$ 421 milhões para R$ 3,1 bilhões no ano passado. Essa desculpa que precisa privatizar para obter recursos para o Estado, não é verdadeira. O que precisa é entendimento de quanto é importante para o desenvolvimento do Estado”.

Arilson ressaltou que na última sexta-feira, véspera do anúncio, houve uma movimentação atípica das ações da Copel na bolsa de valores e que, com a privatização da empresa, o povo do Paraná vai ficar a reboque dos interesses da especulação financeira. “Na sexta-feira a movimentação das ações da Copel na bolsa de valores disparou. Alguém está ganhando dinheiro com isso! Quem soltou esta informação para o mercado antes do tempo? Quem está fazendo isso com o povo paranaense? Vender a Copel é literalmente roubar o patrimônio do povo paranaense. Vamos à CVM denunciar o vazamento de informações privilegiadas, o que é crime. Nós construímos esta empresa pública, com esta magnitude, ao longo do tempo, em vários governos, e a Copel se tornou orgulho do povo paranaense. E a Copel não será mais nossa! Ficaremos a reboque da especulação financeira, e a hora que tiver que aumentar a tarifa e sacrificar o povo, não terão um pingo de sensibilidade. A gente precisa ter bom senso: água, luz, petróleo, dados, são serviços de Estado. Por que o Ratinho Jr. não falou isso na campanha? Porque o povo paranaense não compactua com a venda da Copel!”

Líder do PT, o deputado Tadeu Veneri disse que a venda da Copel contradiz uma promessa de campanha do governador, que garantiu que não iria vender a companhia. “Não tem sentido o que está se pretendendo fazer com a Copel. A mesma Copel que o governo estadual diz que precisa capitalizar vendendo parte da empresa, vai fazer uma distribuição de R$ 970 milhões de reais de juros sobre capital. O que está de fato se pretendendo é vender parte significativa da Copel. O governador afirmou durante a campanha que não iria vender a Sanepar, não iria vender a Copel. Porém, já vendeu a Compagás, vendeu a Copel Telecom e quer privatizar os presídios. Dizer que não vai fazer e depois de eleito fazer diferente é contraditório”.

Para o deputado Goura (PDT), a venda da Copel é uma decisão “absurda”. Ele lembrou que diversos países do mundo estão fazendo o movimento contrário, de reestatização dos serviços de água e energia, e que Ratinho Jr. vai entrar para a história como o governador que entregou o patrimônio do povo do Paraná à iniciativa privada. “O governador se aproveita deste momento de Copa do Mundo, de rescaldo das eleições, para avançar em um projeto que estamos alertando há bastante tempo, de privatização da Copel. É um despropósito, uma coisa absurda. É importante lembrar que vários países do mundo que privatizaram energia e água estão em processo de reestatização, pois são serviços que devem servir a lógica do interesse coletivo, e não privado, de acionistas. Estamos falando de uma empresa histórica, não mostra apenas falta de visão estratégica sobre a soberania energética, mas também um profundo desrespeito e desconhecimento da história paranaense. O governador será lembrado como aquele que entregou ativos, que entregou bens do povo do Paraná para a iniciativa privada. Vamos lutar contra isso de todas as formas, políticas, legislativas, e se for o caso inclusive judiciais”.

Já o deputado Professor Lemos (PT) destacou que a venda da Copel é um ataque brutal ao povo do Paraná. “Quando Bento Munhoz propôs a criação da Copel, foi porque o Paraná tinha empresas privadas que não davam conta de fornecer energia elétrica para o desenvolvimento do Estado. A Copel teve lucro líquido ano passado de R$ 5 bilhões, uma empresa que dá lucro, que foi criada para desenvolver o Paraná. Neste momento, o governador usa a mesma justificativa que Lerner usou nos anos 90, de modernizar, de ampliar a competitividade, para vender a Copel! O governador é passageiro, fica só por mais quatro anos, mas a Copel é permanente, é dos paranaenses. A Copel não pode ser entregue para o mercado!”

Segundo o deputado Requião Filho (PT), a venda da empresa é um bom negócio para alguém, menos para a população do Paraná. “Acredito que o Ratinho deva estar fazendo um bom negócio para alguém, mas não para o Estado do Paraná. O mundo está revertendo as privatizações em água e energia, mas aqui nossa conta ficará mais cara para as indústrias, para o agro, para as empresas e para as famílias paranaenses. Na sequência, os investimentos vão diminuir. Alguém está enchendo os bolsos de dinheiro. Na última sexta-feira tivemos uma movimentação atípica nas ações da Copel. Alguém sabia e ganhou muito dinheiro com essas especulações do mercado. Lutaremos para que a Copel continue sendo do povo do Paraná.”

A deputada Luciana Rafagnin (PT) também se mostrou preocupada com a privatização da companhia. “Gostaria de deixar claro que somos contra a privatização da Copel. Aliás, a pergunta é: por que o governo quer vender uma empresa que está dando lucro? Esse é o nosso questionamento. Na campanha, ele não defendeu o Estado mínimo, não deixou claro isso, e agora está privatizando a Copel, a Sanepar, a educação, os presídios. É muito preocupante a maneira como o governador está conduzindo o Estado!”



Receba nossas principais notícias em seu celular
Participe dos nossos Grupos Oficiais


GRUPO DO WHATSAPP GRUPO DO FACEBOOK

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidos pelo whatsapp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Leia Também

Gabinete de Transição instala Conselho de Participação Social

Brasil

Gabinete de Transição instala Conselho de Participação Social

30/11/2022 – 17:59:01 Com informações de Agência PT e revisão de redação A Coordenadora de Articulação...

Senado aprova regulamentação da telessaúde no Brasil

Brasil

Senado aprova regulamentação da telessaúde no Brasil

30/11/2022 – 14:59:15 Com informações de Agência Brasil e revisão de redação O Senado aprovou nesta...

Prefeitura de Guarapuava divulga ensalamento do PSS para estagiários

Guarapuava

Prefeitura de Guarapuava divulga ensalamento do PSS para estagiários

30/11/2022 – 12:17:13 Com informações de Secom Prefeitura de Guarapuava e revisão de redação A prefeitura de...

Lei Orçamentária Anual já recebeu 22 emendas de vereadoras e vereadores

Guarapuava

Lei Orçamentária Anual já recebeu 22 emendas de vereadoras e vereadores

30/11/2022 – 11:04:51 Redação A LOA (Lei Orçamentária Anual), lei que estabelece como será empregado o...

MPPR cobra instauração de procedimento para cassar mandato de Celso Costa

Guarapuava

MPPR cobra instauração de procedimento para cassar mandato de Celso Costa

30/11/2022 – 08:54:01 Redação O MPPR (Ministério Público do Paraná), em ofício enviado à Câmara Municipal...

Deslizamento de terra na BR-376 soterra carros e caminhões

Paraná

Deslizamento de terra na BR-376 soterra carros e caminhões

29/11/2022 – 18:24:13 Com informações de Agência Brasil e revisão de redação Um deslizamento de terra na...